segunda-feira, 31 de maio de 2010

Patas que guiam


O labrador Basher, de quase 3 anos, trabalha no Brasil como cão-guia. Ele já veio treinado dos EUA, e aqui as aulas continuaram no Instituto Iris. Basher funciona como os olhos da Dani, a dona, conduzindo-a por todo canto. Na entrevista abaixo, o cão conta das paixões, que são o amigo Tico, passeios no parque e, claro, a Dani. Também fala do grande medo, um guarda-chuva preto que o aterrorizou no metrô.
1 - Como é seu trabalho?
Bem legal, é o sonho de todo cão, pois fico com minha dona o dia todo. Ando praticamente em linha reta, se ela não disser “vire à direita" ou "vire à esquerda”. Mas não pense que é fácil, porque preciso desviá-la de tudo. Já decorei os caminhos habituais, como do trabalho para o metrô. Sei muitos outros também, aprendo fácil.
2- Gosta de brincar ou só trabalha?
Claro que brinco. Tem outro amigo em casa, Tico, que é pequeno e usa roupa de segurança. Acredita? Tenho certeza que não põe medo em ninguém. Adoramos brincar de cabo de guerra. Também gostamos de correr no parque.
3 – Já passou algum aperto?
Tive muito medo de um guarda-chuva. Certo dia, Dani apanhou de um objeto preto desses que estava nas mãos de uma mulher, dentro do metrô. A senhora não acreditava na deficiência visual da minha dona e ainda insistia, aos berros, que lugar de cachorro não era dentro do vagão.
4- Você apronta com sua dona?
Não. Às vezes, o pessoal mexe comigo na rua, e como gosto de pessoas, acabo dando atenção e me distraio. Como isso pode por a segurança da Dani em risco, é melhor ninguém mexer com um cão-guia, enquanto estivermos no trabalho.

2 comentários:

Aline disse...

é um trabalho tããoo lindoo..
ainda n vi nenhum cão guia pessoalmente!

gislainesilveira disse...

Se eu vejo a mulher do guarda-chuva eu dou uma bica no meio da perna!
Detesto gente louca!!!!!