quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Mão na consciência


Amanhã é Dia da Consciência Negra, e por isso lembrei do perfil de bichos que encalham em centros de adoção. São os maiores, os mais velhos e os negros. Sim, amigos, há preconceito na adoção de animais.
Os mais velhos ficam, pois as pessoas preferem filhotes. Em paralelo, não seria assim também com a adoção de crianças? Infelizmente, o destino das mais velhas acaba sendo crescer em abrigos.
Já os de porte grande sobram porque não cabem em apartamentos. Eu, com essa pança de quase 30 quilos, estaria frita. Mas e os de pelagem negra? “Eles são rejeitados, é uma forma de preconceito, as pessoas pedem cão branco e amarelo, e o pretinho básico, aquele de pêlos curtos, fica de lado”, disse tio Manuel Fernandes, que faz o trabalho no casarão da av. Paulista (nº1919).
Para dar um empurrão nessas adoções, o adestrador Jorge Pereira tem o trabalho voluntário de ensinar truques aos cães. “Educados, eles ficam mais atrativos e podem chamar a atenção das pessoas, mudando assim o triste destino de espiar a vida pelas grades do abrigo”, reforça tio Manuel.

2 comentários:

JuJu disse...

nunca tinha ouvido falar em preconceito contra cão que tem pelo preto, credo! eu tenho dois lindos em casa!!!!!!
Juju

gislainesilveira disse...

Que absurdo gente!
Td bem que meu Théo é loirão...rs....mas foi o acaso, pq se ele fosse preto, azul, verde...a cor que fosse, teria resgatado ele da rua do mesmo jeito...Aliás, que fofuras os peludinhos da foto :)