terça-feira, 20 de outubro de 2009

Como nascem as verrugas


Ao ouvir o barulhão do céu, acordei no meio da madrugada e resolvi espiar a chuva. Os raios que riscavam a noite vinham acompanhados de trovões, que tremiam o gramado. Mas Feijuca continuava roncando, mesmo enquanto o mundo desabava casinha afora.
No meio do dilúvio, vi algo perto das grades. Era uma pessoa corcunda, que carregava uma vassoura nas mãos. Achei que fosse dona Dita, a senhora que varre o nosso quintal e com quem me divirto, tentando roubar a vassoura. Até arrisquei uma abanada de rabo.
Mas não. Era uma mulher mais sombria que a chuvarada. Usava um chapéu bicudo e tinha uma vareta na outra mão, de longas unhas cor de vinho. Apavorei e lati para Feijuca. Nada, ela parecia em transe. A mulher foi se aproximando, com um cheiro forte de bicho morto, enquanto eu me encolhia pelos cantos. Ela entrou na minha casinha. Fiz um xixi onde estava de tanto pavor. Sem chance, a fedorenta iria me dar uma vassourada ou me espancar com a vareta. Foi quanto a velhota tocou minha cabeça, resmungou umas palavrinhas e gargalhou. Saiu rindo alto, um riso debochado, que me doía os tímpanos. Então a mulher assombrosa pegou a vassoura, partiu rumo aos raios e evaporou no céu escuro. Não dormi mais. Só no outro dia fiquei sabendo o que acontecera. Caros, foi exatamente assim que eu ganhei uma verruga na cabeça.

Um comentário:

Gislaine disse...

Maga e leitores da Maga...vai aqui um apelo....Descobri ontem que meu cãozinho adotado da rua está com epilepsia...Preciso de relatos de pessoas que tenham cãozinhos na mesma situação para me ajudarem a cuidar dele. Esta noite ele passou internado pois eu não tinha como trazê-lo pra casa até mesmo pq ele fica o dia todo sozinho pois trabalho...mas hj vou ter de buscá-lo e estou insegura para cuidar dele caso tenha mais ataques. Por favor, me ajudem!!!!